Gente que Reza - Seguidores!

Pesquisar este blog

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Via Crucis (S. Afonso de Liguori).


Via Crucis - Santo Afonso Maria Ligório

O caminho da Cruz

Ajoelha-te ante o altar, fazei um Ato de Contrição, e faz a intenção de ganhar as indulgências para vosso bem, ou para as almas no purgatório.

Depois dizei:

Senhor meu Jesus Cristo, Vós percorrestes com tão grande amor este caminho para morrer por mim, e eu vos tenho ofendido tantas vezes apartando me de Vós pelo pecado;

Mas agora vos amo com todo meu coração, e porque vos amo, me arrependo sinceramente de todas as ofensas que vos tenho feito.

Perdoai-me, Senhor, e permite me que vos acompanhe nesta viagem.

Vais morrer por meu amor, pois eu também quero viver e morrer pelo vosso, amado Redentor meu.

Sim, Jesus meu, quero viver sempre e morrer unido a Vós.
Primeira estação: Jesus é condenado à morte.

Vos adoramos, Jesus Cristo, e vos bendizemos. Porque pela vossa Santa Cruz redimistes ao mundo.

Considera como Jesus, depois de haver sido açoitado e coroado de espinhos, foi injustamente sentenciado por Pilatos a morrer crucificado.

Aqui se faz uma pequena pausa para considerar brevemente o mistério, e o mesmo nas demais estações.

Adorado Jesus meu: meus pecados foram maiores dos que de Pilatos, dos que vos sentenciaram a morte.

Pelos méritos deste doloroso passo, vos suplico me assistais no caminho que vai recorrendo minha alma para a eternidade.

Vos amo, Oh! Jesus meu mais que a mim mesmo, e me arrependo de todo coração de haver-vos ofendido; não permitais que volte a separar-me de Vós outra vez;

Fazei que vos ame sempre e dispõe de mim como Vos agrade. Amém.

Pai-Nosso, uma Ave-Maria e um glória e a seguinte oração.

Amado Jesus meu,

Por mim vais a morte,

Quero seguir vossa sorte,

Morrendo por vosso amor;

Perdão e graça imploro,

Neste caminho de dor.
Segunda estação: Jesus levando a cruz às costas.

Vos adoramos, Jesus Cristo, e vos bendizemos. Porque pela vossa Santa Cruz redimistes ao mundo.

Considera como Jesus, andando neste caminho com a cruz a costas, ia pensando em Vós e oferecendo a seu Pai por vossa salvação a morte que ia padecer.

Amabilíssimo Jesus meu: abraço todas as tribulações que me tens destinadas até a morte, e vos rogo, pelos méritos da pena que sofrestes levando vossa Cruz, me deis força para levar a minha com perfeita paciência e resignação .

Vos amo, Oh! Jesus meu mais que a mim mesmo, e me arrependo de todo coração de haver-vos ofendido; não permitais que volte a separar-me de Vós outra vez;

Fazei que vos ame sempre e dispõe de mim como Vos agrade. Amém.

Pai-Nosso, uma Ave-Maria e um glória e a seguinte oração.

Amado Jesus meu,

Por mim vais a morte,

Quero seguir vossa sorte,

Morrendo por vosso amor;

Perdão e graça imploro,

Neste caminho de dor.
Terceira estação: Jesus cai pela primeira vez.

Vos adoramos, Jesus Cristo, e vos bendizemos. Porque pela vossa Santa Cruz redimistes ao mundo.

Considera esta primeira queda de Jesus debaixo da Cruz.

Suas carnes estavam despedaçadas pelos açoites; sua cabeça coroada de espinhos, e havia já derramado muito sangue, pelo qual estava tão frágil, que apenas podia caminhar;

Levava ao mesmo tempo aquele enorme peso sobre seus ombros e os soldados lhe empurravam; de modo que muitas vezes desfaleceu e caiu neste caminho.

Amado Jesus meu: mais que o peso da Cruz, são meus pecados os que Vos fazem sofrer tantas penas.

Pelos méritos desta primeira queda, livrai-me de cair em pecado mortal.

Vos amo, Oh! Jesus meu mais que a mim mesmo, e me arrependo de todo coração de haver-vos ofendido; não permitais que volte a separar-me de Vós outra vez;

Fazei que vos ame sempre e dispõe de mim como Vos agrade. Amém.

Pai-Nosso, uma Ave-Maria e um glória e a seguinte oração.

Amado Jesus meu,

Por mim vais a morte,

Quero seguir vossa sorte,

Morrendo por vosso amor;

Perdão e graça imploro,

Neste caminho de dor.
Quarta estação: Encontro de Jesus com Sua Mãe Santíssima.

Vos adoramos, Jesus Cristo, e vos bendizemos. Porque pela vossa Santa Cruz redimistes ao mundo.

Considera o encontro do Filho com sua Mãe neste caminho.

Se olharam mutuamente Jesus e Maria, e seus olhares foram outras tantas flechas que traspassaram seus amantes corações.

Amantíssimo Jesus meu: pela pena que experimentasteis neste encontro, concedei-me a graça de ser verdadeiro devoto de vossa Santíssima Mãe.

E Vós, minha aflita Rainha, que fostes abrumada de dor, alcançai-me com vossa intercessão uma continua e amorosa memoria da Paixão de vosso Filho.

Vos amo, Oh! Jesus meu mais que a mim mesmo, e me arrependo de todo coração de haver-vos ofendido; não permitais que volte a separar-me de Vós outra vez;

Fazei que vos ame sempre e dispõe de mim como Vos agrade. Amém.

Pai-Nosso, uma Ave-Maria e um glória e a seguinte oração.

Amado Jesus meu,

Por mim vais a morte,

Quero seguir vossa sorte,

Morrendo por vosso amor;

Perdão e graça imploro,

Neste caminho de dor.
Quinta estação: Jesus ajudado por Simão Cirineu a levar a Cruz.

Vos adoramos, Jesus Cristo, e vos bendizemos. Porque pela vossa Santa Cruz redimistes ao mundo.

Considera como os judeus, ao ver que Jesus ia desfalecendo cada vez mais, temeram que Ele morresse no caminho e, como desejavam ve-Lo morrer da morte infame de Cruz, obrigaram a Simão o Cirineo a que lhe ajudasse a levar aquele pesado madero.

Dulcíssimo Jesus meu: não quero recusar a Cruz, como o fez o Cirineo, antes bem a aceito e a abraço; aceito em particular a morte que tenhais destinada para mim, com todas as penas que a tem de acompanhar, a uno a vossa, e Vos a ofereço.

Vós haveis querido morrer por meu amor, eu quero morrer pelo vosso; ajudai-me com vossa graça.

Vos amo, Oh! Jesus meu mais que a mim mesmo, e me arrependo de todo coração de haver-vos ofendido; não permitais que volte a separar-me de Vós outra vez;

Fazei que vos ame sempre e dispõe de mim como Vos agrade. Amém.

Pai-Nosso, uma Ave-Maria e um glória e a seguinte oração.

Amado Jesus meu,

Por mim vais a morte,

Quero seguir vossa sorte,

Morrendo por vosso amor;

Perdão e graça imploro,

Neste caminho de dor.
Sexta estação: A piedosa Verônica enxuga o rosto de Jesus.

Vos adoramos, Jesus Cristo, e vos bendizemos. Porque pela vossa Santa Cruz redimistes ao mundo.

Considera como a devota mulher Verônica, ao ver a Jesus tão fatigado e com o rosto banhado em suor e sangue, lhe ofereceu um lenço.

E limpando-se com ele nosso Senhor, deixou impresso neste sua santa imagem.

Amado Jesus meu: em outro tempo vosso rosto era lindíssimo; mas nesta dolorosa viagem, as feridas e o sangue tem mudado sua beleza.

Ah! Senhor meu, também minha alma ficou linda a vossos olhos quando recebi a graça do batismo, mas eu a tenho desfigurado depois com meus pecados.

Vós apenas, Oh! Redentor meu!, podeis restituir-lhe minha beleza passada: fazendo-o pelos méritos de vossa Paixão.

Vos amo, Oh! Jesus meu mais que a mim mesmo, e me arrependo de todo coração de haver-vos ofendido; não permitais que volte a separar-me de Vós outra vez;

Fazei que vos ame sempre e dispõe de mim como Vos agrade. Amém.

Pai-Nosso, uma Ave-Maria e um glória e a seguinte oração.

Amado Jesus meu,

Por mim vais a morte,

Quero seguir vossa sorte,

Morrendo por vosso amor;

Perdão e graça imploro,

Neste caminho de dor.
Sétima estação: Jesus cai pela segunda vez.

Vos adoramos, Jesus Cristo, e vos bendizemos. Porque pela vossa Santa Cruz redimistes ao mundo.

Considera a segunda queda de Jesus debaixo da Cruz, na qual se lhe renova a dor das feridas de sua cabeça e de todo seu corpo ao aflito Senhor.

Oh! pacientíssimo Jesus meu: Vos tantas vezes me haveis perdoado, e eu tenho voltado a cair e a ofender-vos.

Ajudai-me, pelos méritos desta nova queda, a perseverar em vossa graça até a morte.

Fazei que em todas as tentações que me assaltem, sempre e prontamente me encomende a Vós.

Vos amo, Oh! Jesus meu mais que a mim mesmo, e me arrependo de todo coração de haver-vos ofendido; não permitais que volte a separar-me de Vós outra vez;

Fazei que vos ame sempre e dispõe de mim como Vos agrade. Amém.

Pai-Nosso, uma Ave-Maria e um glória e a seguinte oração.

Amado Jesus meu,

Por mim vais a morte,

Quero seguir vossa sorte,

Morrendo por vosso amor;

Perdão e graça imploro,

Neste caminho de dor.
Oitava estação: Jesus consolando as filhas de Jerusalém.

Vos adoramos, Jesus Cristo, e vos bendizemos. Porque pela vossa Santa Cruz redimistes ao mundo.

Considera como algumas piedosas mulheres, vendo a Jesus em tão lastimoso estado, que ia derramando sangue pelo caminho, choravam de compaixão; mas Jesus lhes disse: não choreis por mim, mas sim por vós mesmas e por vossas filhos.

Aflito Jesus meu: choro as ofensas que Vos tenho feito, pelos castigos que tenho merecido, mas muito mais pelo desgosto que tenho dado a Vós, que tão ardentemente me haveis amado.

Não é tanto o Inferno, o que me faz chorar meus pecados, mas ter ofendido o vosso amor imenso.

Vos amo, Oh! Jesus meu mais que a mim mesmo, e me arrependo de todo coração de haver-vos ofendido; não permitais que volte a separar-me de Vós outra vez;

Fazei que vos ame sempre e dispõe de mim como Vos agrade. Amém.

Pai-Nosso, uma Ave-Maria e um glória e a seguinte oração.

Amado Jesus meu,

Por mim vais a morte,

Quero seguir vossa sorte,

Morrendo por vosso amor;

Perdão e graça imploro,

Neste caminho de dor.
Nona estação: Jesus cai pela terceira vez debaixo da Cruz.

Vos adoramos, Jesus Cristo, e vos bendizemos. Porque pela vossa Santa Cruz redimistes ao mundo.

Considera a terceira queda de Jesus Cristo.

Extremada era sua fraqueza e excessiva a crueldade dos soldados, que queriam fazer-lhe apressar o passo, quando apenas lhe restava forças para mover-se lentamente.

Atormentado Jesus meu: pelos méritos da debilidade que quisesteis padecer em vosso caminho ao Calvario, dai-me a fortaleza necessaria para vencer os respeitos humanos e todos os meus desordenados e perversos apetites, que me tem feito desprezar vossa amizade.

Vos amo, Oh! Jesus meu mais que a mim mesmo, e me arrependo de todo coração de haver-vos ofendido; não permitais que volte a separar-me de Vós outra vez;

Fazei que vos ame sempre e dispõe de mim como Vos agrade. Amém.

Pai-Nosso, uma Ave-Maria e um glória e a seguinte oração.

Amado Jesus meu,

Por mim vais a morte,

Quero seguir vossa sorte,

Morrendo por vosso amor;

Perdão e graça imploro,

Neste caminho de dor.
Décima Estação: Jesus no ato de O despirem e de Lhe darem o fel a beber.

Vos adoramos, Jesus Cristo, e vos bendizemos. Porque pela vossa Santa Cruz redimistes ao mundo.

Considera como ao ser despojado Jesus de suas vestes pelos soldados, estando a túnica interior pregada as carnes descoladas pelos açoites, lhe arrancaram também com ela a pele de seu sagrado corpo.

Compadece-se a vosso Senhor e diga-lhe:

Inocente Jesus meu: Pelos méritos da dor que sofrestes, ajudai-me a desnudar-me de todos os afetos às coisas terrenas, para, que possa eu pôr todo meu amor em Vós, que tão digno sois de ser amado.

Vos amo, Oh! Jesus meu mais que a mim mesmo, e me arrependo de todo coração de haver-vos ofendido; não permitais que volte a separar-me de Vós outra vez;

Fazei que vos ame sempre e dispõe de mim como Vos agrade. Amém.

Pai-Nosso, uma Ave-Maria e um glória e a seguinte oração.

Amado Jesus meu,

Por mim vais a morte,

Quero seguir vossa sorte,

Morrendo por vosso amor;

Perdão e graça imploro,

Neste caminho de dor.
Undécima Estação: Jesus pregado na Cruz.

Vos adoramos, Jesus Cristo, e vos bendizemos. Porque pela vossa Santa Cruz redimistes ao mundo.

Considera como Jesus, extendido sobre a Cruz, abre seus pés e mãos e oferece ao Eterno Pai o sacrificio de sua vida por nossa salvação; lhe cravam aqueles bárbaros soldados e depois levantam a Cruz ao alto, deixando-lhe morrer de dor, sobre aquele patíbulo infame.

Oh! desprezado Jesus meu: Cravai meu coração a vossos pés para que permaneça sempre ali amando-vos e não vos deixe mais.

Vos amo, Oh! Jesus meu mais que a mim mesmo, e me arrependo de todo coração de haver-vos ofendido; não permitais que volte a separar-me de Vós outra vez;

Fazei que vos ame sempre e dispõe de mim como Vos agrade. Amém.

Pai-Nosso, uma Ave-Maria e um glória e a seguinte oração.

Amado Jesus meu,

Por mim vais a morte,

Quero seguir vossa sorte,

Morrendo por vosso amor;

Perdão e graça imploro,

Neste caminho de dor.
Duodécima estação: Jesus morre na Cruz.

Vos adoramos, Jesus Cristo, e vos bendizemos. Porque pela vossa Santa Cruz redimistes ao mundo.

Considera como Jesus, depois de três horas de agonia, consumido de dores e exausto de forças seu corpo, inclina a cabeça e expia na Cruz.

Oh! morto Jesus meu: Beijo enternecido essa Cruz em que por mim haveis morrido.

Eu, por meus pecados, teria merecido um má morte, mas a vossa é minha esperança.

Eis, pois Senhor, pelos méritos de vossa Santíssima morte, concedei-me a graça de morrer abraçado a vossos pés e consumido por vosso amor.

Em vossas mãos encomendo minha alma.

Vos amo, Oh! Jesus meu mais que a mim mesmo, e me arrependo de todo coração de haver-vos ofendido; não permitais que volte a separar-me de Vós outra vez;

Fazei que vos ame sempre e dispõe de mim como Vos agrade. Amém.

Pai-Nosso, uma Ave-Maria e um glória e a seguinte oração.

Amado Jesus meu,

Por mim vais a morte,

Quero seguir vossa sorte,

Morrendo por vosso amor;

Perdão e graça imploro,

Neste caminho de dor.
Décima Terceira Estação: Jesus é descido da Cruz.

Vos adoramos, Jesus Cristo, e vos bendizemos. Porque pela vossa Santa Cruz redimistes ao mundo.

Considera como, havendo expirado o Senhor, lhe baixaram da Cruz dois de seus discípulos.

José e Nicodemo, e lhe depositaram nos braços de sua dolorosíssima Mãe, Maria, que lhe recebeu com ternura e lhe apertou contra seu peito traspassado de dor.

Oh! Mãe dolorosíssima: Pelo amor deste Filho, admiti-me por vosso servo e rogai-lhe por mim.

E Vós, Redentor meu, já que haveis querido morrer por mim, recebei-me no número dos que vos amam mais, pois eu não quero amar nada fora de Vós.

Vos amo, Oh! Jesus meu mais que a mim mesmo, e me arrependo de todo coração de haver-vos ofendido; não permitais que volte a separar-me de Vós outra vez;

Fazei que vos ame sempre e dispõe de mim como Vos agrade. Amém.

Pai-Nosso, uma Ave-Maria e um glória e a seguinte oração.

Amado Jesus meu,

Por mim vais a morte,

Quero seguir vossa sorte,

Morrendo por vosso amor;

Perdão e graça imploro,

Neste caminho de dor.
Décima Quarta: Jesus é colocado no sepulcro.

Vos adoramos, Jesus Cristo, e vos bendizemos. Porque pela vossa Santa Cruz redimistes ao mundo.

Considera como os discípulos levaram a enterrar Jesus, acompanhando-lhe também sua Santíssima Mãe, que lhe depositou no sepulcro com suas próprias mãos.

Depois cerraram a porta do sepulcro e se retiraram.

Oh! Jesus meu sepultado : Beijo essa pedra que vos encerra.

Vos ressucitasteis depois de três dias; por vossa ressurreição vos peço e vos suplico me façais ressucitar glorioso no dia do juízo final para estar eternamente convosco na glória, amando-vos e bendizendo-vos.

Vos amo, Oh! Jesus meu mais que a mim mesmo, e me arrependo de todo coração de haver-vos ofendido; não permitais que volte a separar-me de Vós outra vez;

Fazei que vos ame sempre e dispõe de mim como Vos agrade. Amém.

Pai-Nosso, uma Ave-Maria e um glória e a seguinte oração.

Amado Jesus meu,

Por mim vais a morte,

Quero seguir vossa sorte,

Morrendo por vosso amor;

Perdão e graça imploro,

Neste caminho de dor.

Promessas da Via Crucis.


Promessas de Jesus aos devotos da Via Sacra

Na idade de 18 anos, um jovem espanhol, chamado Estanislau, ingressou ao noviciado, na vida religiosa, este jovem fez os votos de religião que são:

O cumprimento dos regramentos; avançar na perfeição cristã e alcançar o amor puro.

O mes de outubro de 1926, este irmão se ofereceu a Jesus por intermédio de Maria Santíssima.

Pouco depois de ter feito esta doação heróica de si mesmo, o jovem religioso ficou doente e foi obrigado a descansar.

Morreu santamente no mês de março, 1927.

Segundo o mestre de noviços, este religioso era uma alma escolhida de Deus; e que recebia mensagens do Céu.

Os confessores do jovem, assim como os teólogos, reconheceram estes feitos sobrenaturais.

O diretor espiritual do irmão Estanislau lhe havia ordenado escrever todas as promessas transmitidas por Nosso Senhor.

Isto seria para o bem espiritual dos que fossem devotos da Via Crucis.
As promessas são as seguintes:

Promessas para os devotos do Via Crucis feitas por Jesus ao irmão Estanislau

1. Eu concederei tudo quando Me pedirem com fé, durante a Via Crucis.

2. Eu prometo a vida eterna aos que, de vez em quando, se aplicarem a rezar a Via Crucis.

3. Durante a vida, eu lhes acompanharei em todo lugar e terão Minha ajuda especial na hora da morte.

4. Ainda que tiverem mais pecados que as folhas da erva que cresce nos campos, e mais que os grãos de areia do mar, todos serão apagados por meio desta devoção, a Via Crucis.

(Importante: Esta devoção não elimina a obrigação de confessar os pecados mortais. Se deve confessar antes de receber a Santa Comunhão. )

5. Os que acostumarem rezar a Via Crucis frequentemente, terão de uma Glória extraordinária no Céu.

6. Depois da morte, se estes devotos chegarem ao Purgatório, eu os livrarei desse lugar de expiação, na primeira terça-feira ou sexta-feira depois da morte.

7. Eu abençoarei a estas almas cada vez que rezarem a Via Crucis; e minha benção lhes acompanhará em todas partes da terra. Depois da morte, gozarão desta benção no Céu, por toda a eternidade.

8. Na hora da morte, não permitirei que sejam sujeitos a tentação do demônio. Ao espírito maligno lhe tirarei todo o poder sobre estas almas. Assim poderão repousar tranquilamente em Meus Braços.

9. Se rezam com verdadeiro amor, serão altamente premiados. Quer dizer, converterei a cada uma destas almas em um recipiente vivo, onde Eu irei derramar Minha graça.

10. Fixarei Meus Olhos sobre aquelas almas que rezarem a Via Crucis com frequencia e Minhas mãos estarão sempre abertas para protegê-las.

11. Assim como Eu fui cravado na Cruz, igualmente estarei sempre muito unido aos que Me honram, com a reza frequente da Via Crucis.

12. Os devotos da Via Crucis nunca se separarão de Mim porque eu lhes darei a graça de jamais cometer um pecado mortal.

13. Na hora da morte, eu lhes consolarei com Minha presença, e iremos juntos ao Céu. A morte será doce para todos os que Me tem honrado durante a vida com a reza da Via Crucis.

14. Para estes devotos da Via Crucis, Minha Alma será um escudo de proteção que sempre lhes prestará o auxilio quando recorram a Mim.

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Rosário e a Imitação de Cristo.



A Imitação de Cristo e o Rosário

O Santo Rosário meditado segundo textos da Imitação de Cristo.

Mistérios Gozosos

Primeiro mistério: Anunciação.

Convite à vida de união íntima com Nosso Senhor.

Livro I, Cap. I.

O Reino de Deus está dentro de vós. Aprende a desprezar as coisas exteriores, aplica-te às interiores e verás como vem a ti o Reino de Deus.

Cristo virá a ti , se... lhe preparares, no interior uma digna habitação.

Toda sua glória e formosura está no inteiro da alma e só aí ele se compraz.

Segundo mistério: Visita de Nossa Senhora a Santa Izabel.

A prática da caridade.

Livro I, Cap. IX.

Sem caridade, de nada vale a obra exterior; tudo, porém, que dela procede, por insignificante e desprezível que seja, torna-se proveitoso, porque Deus não olha tanto para as ações como para a intenção com que as fazemos. Muito faz quem serve antes ao bem comum que à própria vontade.

Quem tem perfeita caridade em nada se busca a si mesmo; mas deseja somente que tudo se faça para a glória de Deus.

Terceiro Mistério: Nascimento.

Convite à abnegação

Livro III, Cap. XXIII

Filho, agora te ensinarei o caminho da verdadeira paz e da verdadeira liberdade.

...Procura fazer antes a vontade de outrem que a tua. Escolhe sempre menos do que mais. Busca antes o último lugar e sujeita-te a todos. Deseja e pede sem cessar que se cumpra, plenamente, em ti a Vontade de Deus.

Assim entra o homem nos limites da paz e da quietação.

Quarto Mistério: Apresentação no Templo.

Exemplo de obediência.

Livro III, Cap. XIII

Eu me fiz o mais humilde e o último de todos, para que com minha humildade vencesses a tua soberba. Aprende a obedecer tu, que és pó, aprende a humilhar-te, terra e limo e a prostrar-te aos pés de todos.

Aprende a quebrar a tua vontade e entregar-te a toda sujeição.

Inflama-te de zelo contra ti mesmo e não permitas que o orgulho te domine; ao contrário, mostra-te tão pequeno e submisso, que todos possam andar sobre ti e pisar-te, como a lama das ruas.

Quinto Mistério: Perda e encontro no Templo.

A alegria de ter Jesus e a tristeza de perdê-lo.

Livro II, Cap. VIII.

Quando Jesus está presente, tudo é suave e nada há que pareça difícil;quando Jesus, porém, está ausente, tudo se torna penoso.

Quando Jesus não fala não nos fala dentro de nós, vã é toda a consolação; mas se Jesus nos diz uma só palavra, grande alívio experimentamos.

Quão árido e insensível és sem Jesus! Quão néscio e vão se alguma coisa desejas fora dele!

Que te pode dar o mundo sem Jesus?

Estar sem Jesus é terrível inferno; estar com Jesus é suave paraíso.

Se Jesus estiver contigo, nenhum inimigo te poderá ofender.

Quem acha a Jesus, encontra um tesouro inestimável,ou antes, um bem acima de todos os bens.

Quem perde a Jesus, perde mais que se perdesse o mundo inteiro.

Grande arte é saber falar conversar com Jesus; muita prudência conservá-lo consigo.

Sê humilde e pacífico e Jesus estará contigo.

Mistérios Dolorosos

Primeiro Mistério: Agonia

Os sofrimentos morais de Jesus.

Livro III, Cap. L.

Pai justo e sempre digno de louvor, é chegada a hora em que vosso servo será provado.

Pai sempre adorável, chegou a hora que, desde a eternidade, previstes que havia de vir, na qual o vosso servo, por um pouco de tempo, sucumba exteriormente, sem deixar de, interiormente, viver unido a vós.

Seja ele por um pouco de tempo desprezado, humilhado, abatido aos olhos dos homens... para que ressuscite convosco, na aurora da nova luz e seja glorificado no céu.

Pai santo, assim determinastes e quisestes, fez-se o que ordenastes.

Segundo Mistério: Flagelação.

A paciência nos sofrimentos.

L:ivro III,Cap. XIX.

Filho, que é que dizes? Deixa-te de queixas, considerando a minha paixão...

Ainda não resististe até o derramar sangue. Pouco é o que padeces em comparação de outros, que sofreram tanto...

É bom que te lembres dos graves sofrimentos alheios, para que, mais facilmente, possas com os teus, que sã mínimos.

E se não parecem leves, olha não venha isto da tua impaciência.

Sejam, porém, grandes ou pequenos, procura levá-los com paciência.

O verdadeiro sofredor não atenta para o homem que o maltrata; se é seu superior, igual ou inferior; se é bom e santo varão, ou indigno e perverso.

Aparelha-te, pois, para a peleja, se queres alcançar a vitória.

Terceiro Mistério: Coroação de Espinhos.

Convite à mortificação e à humildade.

Livro III, Cap.XLIII.

Filho, aplica-te à mortificação das tuas paixões, porque isto te aproveitará mais que o conhecimento das questões mais difíceis.

Sou eu Quem ensina aos homens a ciência.

Eu ensino sem rumor de palavras, sem confusão de opiniões, sem vaidades...

Sou eu quem ensina a desprezar as coisas terrenas, aborrecer os bens presentes, buscar e saborear as coisas eternas, fugir das honras, sofrer as adversidades, colocar em mim toda esperança, nada desejar fora de mim e amar-me, ardentemente acima de tudo.

Quarto Mistério: Carregando a Cruz ao Calvário.

O amor à Cruz.

Livro II, Cap. XII.

A muitos parece dura esta palavra: Renuncia a ti mesmo, toma a tua cruz e segue a Jesus. Muito mais duro, porém, será ouvir aquela última sentença: “Afastai-vos de mim, malditos para o fogo eterno.”

Aqueles que agora, de boa vontade, ouvem e seguem a palavra da Cruz, não temerão ouvir sentença da condenação eterna.

Por que temes, pois, tomar a cruz, pela qual se vai ao reino?

Não há outro caminho para a vida e para a verdadeira paz, senão a via da santa cruz e da mortificação quotidiana.

Anda por onde quiseres, procura quanto quiseres e não encontrarás caminho mais sublime acima do caminho da santa cruz, nem mais seguro abaixo dele.

Se, de boa vontade, levares a cruz, ela te conduzirá e guiará ao reino almejado, isto é, onde acabam os sofrimentos não, porém, neste mundo.

Se, de má vontade a levas, aumentar-lhe-ás o peso e te sobrecarregarás mais, pois é forçoso que a suportes.

Quinto mistério: Crucifixão.

As grandezas da Cruz

Livro II cap. XII

O sinal da Cruz aparecerá no céu, quando o Senhor vier para julgar.

Na Cruz está a salvação, na Cruz a vida, na Cruz a proteção contra os inimigos.

Na Cruz está o complemento da virtude, a perfeição da santidade; não salvação para a alma, nem esperança de vida eterna, senão na Cruz.

Eis que tudo se encerra na cruz e em morrer nela.

Toma, pois, a tua cruz, segue a Jesus e caminharás pra a vida eterna.

Ele foi adiante de ti, carregando sua cruz e nela morreu por teu amor, para que tu também leves a tua e nela desejes morrer.

Porque se com ele morres, do mesmo modo viverás com ele; se fores seu companheiro no sofrimento, também o serás na glória.

Mistérios Gloriosos

Primeiro Mistério: Ressurreição.

A recompensa após o sofrimento

Livro I cap. XXV

Sê vigilante e fervoroso no serviço de Deus...

Trilha, pois, com fervor, o caminho da perfeição, porque, em breve, receberás o prêmio de teus trabalhos; r não haverá mais temor ou dor em volta de ti.

Trabalharás agora um pouco e encontras descanso, ou melhor, perene alegria

Se perseverares, com fervor e fidelidade em tuas ações, Deus... será fiel e generoso em te premiar.

Deves nutrir uma esperança firme de que conseguirás vitória; mas não convém considerá-la como certa, para que não caias na tibieza ou presunção.

Espera no Senhor e faze boas obras, diz o profeta, habita na terra e serás alimentado com suas riquezas.

Em toda parte, procura teu progresso espiritual, aproveita tudo, de sorte que, vendo ou ouvindo bons exemplos, te animes a imitá-los.

Segundo mistério: Ascensão.

Do desejo da Vida Eterna

Livro III cap. XLIX

Filho, quando sentires que o céu inspira o desejo da bem-aventurança e anelas sair do cárcere do teu corpo, pra que, sem sombra de vicissitudes, possas contemplar a minha glória, dilata o teu coração e recebe com todo o afeto esta santa inspiração.

... Hás de ser ainda provado e exercitado em muitas coisas na terra.

Consolações terás de quando em quando, mas saciedade plena não te será concedida.

Esforça-te, pois, tem coragem para fazer e suportar o que repugna à natureza.

Preciso se faz que te revistas do homem novo e te transformes em outro homem.

... E, com efeito, por esta pequena renúncia, que agora, espontaneamente fazes, a tua vontade será para sempre satisfeita no céu.

Ali, certamente, encontrarás tudo o que quiseres e quanto puderes desejar.

Ali possuirás todos os bens, sem receio de os perder. Ali tua vontade, sempre unida à minha, não terá outros desejos que não sejam os meus.

Ali não haverá quem te faça resistência, ninguém se queixará de ti, nenhum obstáculo encontrarás, não haverá quem te cause estorvo; mas todas as coisas que desejares ser-te-ão, ao mesmo tempo, presentes e será satisfeito em tudo o teu afeto.

Ali dar-te-ei glória pelas injúrias recebidas; vestidura de alegria pela tristeza e, pelo ínfimo lugar, um trono no meu reino eterno.

Ali se colherá o fruto da obediência; as asperezas da penitência tornar-se-ão em alegria e a submissão humilde gloriosamente coroada.

Terceiro mistério: Pentecostes

As consolações do Espírito Santo

Livro III, cap. V

Bendigo-vos, Pai celestial, Pai de meu Senhor Jesus Cristo, porque vos dignastes lembrar-vos de mim, que sou pobre.

Graças vos sejam dadas, Pai de misericórdia e Deus de toda consolação que, à vezes, apesar de minha absoluta indignidade, me confortais com as vossas consolações.

Sede sempre bendito e glorificado, com o Vosso Unigênito Filho e o Espírito Paráclito, por todos os séculos dos séculos.

Ah! Senhor, Deus meu, santo amigo de minha alma, quando vierdes ao meu coração, estremecerão de júbilo minhas estranhas!

Sois minha glória, o enlevo de meu coração; sois a minha esperança e o meu refúgio na tribulação.

....Dilatai-me no amor, para que eu aprenda, no fundo de meu coração, a saborear quão suave seja amar-vos, até me derreter e nadar no vosso amor.

Possua-me o amor, eleve-me acima de mim mesmo em seus transportes de fervor.

Cante eu um cântico de amor a vós meu Amado; a minha alma rejubilada pelo vosso amor, desfaleça nos vossos louvores.

Ame-vos eu mais que a mim mesmo e nem e mim mesmo ame senão por amor de vós, e em vós todos os que vos amam, conforme ordena a lei do amor que de vós recebe sua luz.

Quarto mistério: Assunção.

A meditação de nossa morte.

Livro I, cap.XXIII.

Mui depressa chegará teu fim, neste mundo; vê, pois, como te preparas; hoje o homem está vivo e amanhã já não existe.

Tirado que seja da vista, logo foge da lembrança.

Oh! Insensatez e dureza do coração humano, que cuida, somente, das coisas presentes, sem olhar para as futuras!

De tal modo te deves comportar em tuas ações e pensamentos, como se hoje mesmo houvesses de morrer.

De que nos serve viver muito tempo, se tão pouco no emendamos?

A vida longa nem sempre emenda, antes, muitas vezes, aumenta as culpas.

Feliz quem sempre traz diante dos olhos a hora da morte e se dispõe, cada dia, a morrer.

Pela manhã pensa que não chegarás à noite; e à noite não contes chegar ao dia seguinte.

Conserva o teu coração livre e voltado para Deus, porque não tens aqui morada permanente.

Dirige para o céu a tuas orações e gemidos de cada dia, com lágrimas, a fim de que, depois da morte, o teu espírito mereça passar ditosamente ao Senhor. Amém.


Quinto mistério: Coroação de Nossa Senhora no céu.

A glória e a alegria dos Santos no Céu.

L III Cap. XLVIII

Ó mansão beatíssima da cidade celestial! Ó dia claríssimo da eternidade, sem noite que o obscurece, mas iluminado sempre pela soberana verdade; dia inalterável, livre de qualquer vicissitude!

Já resplandece para os Santos, com toda a sua perpétua e esplêndida claridade; mas para os que peregrinam na terra só se vislumbra ao longe, como através de um espelho.

Os que habitam no céu, conhecem quão ditoso é aquele dia; os desterrados filhos de Eva gemem na amargura e tédio desta vida!

Quando terão fim todos estes males?

Quando me lembrarei somente de vós, Senhor, e, plenamente, em vós exultarei de júbilo?

Quando haverá paz sólida, paz imutável e segura; paz interior e exterior, firme de todos os lados?

Ó bom Jesus! Quando estarei diante de vós, para vos ver? Quando contemplarei a glória de vosso reino? Quando sereis para mim tudo em todas as coisas?

Oh! Quando estarei convosco no reino que, de toda a eternidade, preparastes para os vosso eleitos?

Compilação: Pe. Gaspar Samuel Coimbra Pelegrini

Fonte: http://www.institutosapientia.com.br/site/index.php?option=com_content&view=article&id=1376:a-imitacao-de-cristo-e-o-rosario&catid=113:oracoes&Itemid=470

Oração Universal, atribuída ao Papa Clemente XI (séc. XVIII).


Oração Universal atribuída ao Papa Clemente XI:


Meu Deus, creio em vós mas fortificai a minha fé;

Espero em vós, mas tornai mais confiante a minha esperança;

Eu vos amo mas afervorai o meu amor;

Arrependo-me de ter pecado, mas aumentai meu arrependimento.

Eu vos adoro como primeiro princípio,
Eu vos desejo como fim último;
Eu vos louvo como benfeitor perpétuo,
Eu vos invoco como benévolo defensor.

Que vossa sabedoria me dirija,
Vossa justiça me contenha,
Vossa clemência me console,
Vosso poder me proteja.

Meu Deus, eu vos ofereço
Meus pensamentos, para que só pense em vós;
Minhas palavras, para que só fale em vós;
Minhas ações, para que sejam de vosso agrado;
Meus sofrimentos, para que sejam por vosso amor.

Quero o que quiserdes,
Porque o quereis,
Como o quereis,
E enquanto o quereis.

Senhor, eu vos peço:
Iluminai minha inteligência,
Inflamai minha vontade,
Purificai meu coração
E santificai minha alma.

Dai-me chorar os pecados passados,
Repelir as tentações futuras,
Corrigir as más inclinações
E praticar as virtudes do meu estado.

Concedei-me, ó Deus de bondade,
Ardente amor por vós e aversão por meus defeitos,
Zelo pelo próximo e desapego do mundo.
Que eu me esforce para obedecer aos meus superiores,
Auxiliar os que dependem de mim,
Dedicar-me aos amigos e perdoar os inimigos.

Que eu vença a sensualidade pela austeridade,
A avareza pela generosidade,
A cólera pela mansidão
E a tibieza pelo fervor.

Tornai-me prudente nas decisões,
Corajoso nos perigos,
Paciente nas adversidades
E humilde na prosperidade.

Fazei, Senhor, que eu seja atento na oração,
Sóbrio nos alimentos,
Diligente no trabalho,
E firme nas resoluções.

Que eu procure possuir
Pureza de coração e modéstia de costumes,
Um procedimento exemplar e uma vida reta.

Que eu me aplique sempre em vencer a natureza,
Colaborar com a graça,
Guardar os mandamentos
E merecer a salvação.

Aprenda de vós como é pequeno o que é da terra,
Como é grande o que é divino,
Breve o que é desta vida
E duradouro o que é eterno.

Daí-me preparar-me para a morte,
Temer o dia do juízo,
Fugir do inferno
E alcançar o paraíso.

Por Cristo, Nosso Senhor.

Amém.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...